news.med.br

Mais acessados

O ato de habitualmente morder a boca está frequentemente associado ao estresse e à ansiedade

O ato de habitualmente morder a boca está frequentemente associado ao estresse e à ansiedade

O hábito compulsivo de morder a boca1, tanto os lábios quanto a parte interna da bochecha2, é muito mais comum do que se imagina. Classificado como um comportamento repetitivo focado no corpo, o hábito é considerado mais comum entre aqueles que lidam com estresse ou ansiedade. Em um estudo publicado na revista BioMed Research International, os pesquisadores investigaram a mastigação como um comportamento de enfrentamento do estresse. O estudo aponta que a mastigação sob condições estressantes atenua os aumentos induzidos pelo estresse na corticosterona plasmática e nas catecolaminas, bem como a expressão de substâncias relacionadas ao estresse, como fatores neurotróficos e óxido nítrico. Além disso, a mastigação reduz as alterações induzidas pelo estresse na morfologia do sistema nervoso central3, especialmente no hipocampo4 e no hipotálamo5.
1 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
2 Bochecha:
3 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
4 Hipocampo: Elevação curva da substância cinzenta, que se estende ao longo de todo o assoalho no corno temporal do ventrículo lateral (Tradução livre de Córtex Entorrinal; Via Perfurante;
5 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
Implantes que se enrolam em torno da medula espinhal representam uma nova abordagem para o tratamento de lesões

Implantes que se enrolam em torno da medula espinhal representam uma nova abordagem para o tratamento de lesões

Um pequeno e flexível dispositivo eletrônico que envolve a medula espinhal1 pode representar uma nova abordagem para o tratamento de lesões2 na coluna, que podem causar incapacidade profunda e paralisia3, de acordo com um estudo publicado na revista Science Advances. Uma equipe da Universidade de Cambridge desenvolveu os dispositivos e os utilizou para registrar os sinais4 nervosos que vão e voltam entre o cérebro5 e a medula espinhal1. Ao contrário das abordagens atuais, os dispositivos de Cambridge podem registrar informações de 360 graus, dando uma imagem completa da atividade da medula espinal6. Testes em modelos de animais vivos e cadáveres humanos mostraram que os dispositivos também poderiam estimular o movimento dos membros e contornar lesões2 completas da medula espinhal1, onde a comunicação entre o cérebro5 e a medula espinhal1 foi completamente interrompida.
1 Medula Espinhal:
2 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Medula Espinal:
Sensor que pode ser engolido se desenrola no estômago para monitorar a saúde gastrointestinal

Sensor que pode ser engolido se desenrola no estômago para monitorar a saúde gastrointestinal

Um sensor que pode ser engolido pode se desenrolar no estômago1, registrando de forma não invasiva sinais2 do sistema nervoso3 para decifrar a digestão4 e a saúde5 intestinal de uma pessoa, de acordo com um novo estudo publicado na revista Nature Electronics. A cápsula do tamanho de um comprimido contém um sensor longo e fino que se expande para se alinhar com a parede interna do estômago1. Num experimento com porcos, o dispositivo mediu com precisão a atividade elétrica das células6 do estômago1 que controlam as contrações dos músculos7 lisos para digerir os alimentos. Em última análise, este dispositivo pode ajudar a diagnosticar distúrbios gastrointestinais, como gastroparesia8 ou paralisia9 do estômago1 e indigestão crônica.
1 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
4 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
8 Gastroparesia: Tipo de neuropatia que afeta o estômago. A digestão dos alimentos pode ser incompleta ou retardada, resultando em náuseas, vômitos ou sensação de plenitude gástrica, tornando o controle glicêmico difícil.
9 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
A atividade cerebral parece ser mais complexa em meninas do que em meninos

A atividade cerebral parece ser mais complexa em meninas do que em meninos

A complexidade dos sinais1 no cérebro2 parece diminuir à medida que o sistema nervoso3 se desenvolve em fetos e bebês4 – e isso ocorre significativamente mais rápido no sexo masculino em comparação com o sexo feminino, mostrou um estudo publicado na revista Nature Mental Health. Segundo os autores, as descobertas trazem implicações importantes para esforços futuros para desenvolver biomarcadores preditivos de transtornos psiquiátricos com base na complexidade da atividade cerebral registrada antes do nascimento.
1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
4 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
Novo anticoagulante não apresenta risco de hemorragia: sua ação pode ser rapidamente interrompida

Novo anticoagulante não apresenta risco de hemorragia: sua ação pode ser rapidamente interrompida

Os tratamentos anticoagulantes1 são cruciais para o tratamento de muitas condições, como doenças cardíacas, acidente vascular cerebral2 e trombose3 venosa. As opções atuais, no entanto, acarretam um risco inerente de hemorragia4 grave devido a trauma ou eventos imprevistos. Uma equipe de pesquisadores desenvolveu um novo anticoagulante5, projetado para ter uma atividade reversível sob demanda, com um “antídoto” de ação rápida. Esta abordagem poderia revolucionar o uso de anticoagulantes1 em cirurgia ou outras aplicações. O mecanismo de ativação e desativação do princípio ativo também poderia ser utilizado na imunoterapia. Esses resultados foram publicados na revista Nature Biotechnology.
1 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
4 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
5 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
Estudo sugere genética como causa, não apenas como risco, para algumas formas de Alzheimer

Estudo sugere genética como causa, não apenas como risco, para algumas formas de Alzheimer

Cientistas estão propondo uma nova forma de compreender a genética da doença de Alzheimer1, o que significaria que até um quinto dos pacientes seriam considerados como tendo uma forma da doença geneticamente causada. É quase certo que as pessoas com duas cópias da variante genética APOE4 contrairão a doença de Alzheimer1, dizem os pesquisadores, que propuseram uma estrutura sob a qual esses pacientes poderiam ser diagnosticados anos antes dos sintomas2. Atualmente, a grande maioria dos casos de Alzheimer3 não tem uma causa claramente identificada. A nova designação, proposta num estudo publicado na revista Nature Medicine, poderá ampliar o âmbito dos esforços para desenvolver tratamentos, incluindo terapia genética, e afetar o desenho de ensaios clínicos4.
1 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.

Elogios, críticas ou sugestões

Seu nome:
Seu email:
Mensagem:

  • Entrar
  • Receber conteúdos