news.med.br

Mais acessados

Psilocibina reduz os sintomas na depressão resistente ao tratamento

Psilocibina reduz os sintomas na depressão resistente ao tratamento

Em um novo estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, uma dose única de 25 mg de psilocibina, o ingrediente ativo dos cogumelos mágicos, teve um efeito significativo na redução dos sintomas1 de depressão em pessoas que até agora não se beneficiaram do tratamento, mostraram os resultados. Entre participantes com depressão resistente ao tratamento, a psilocibina em uma dose única de 25 mg, mas não de 10 mg, reduziu os escores de depressão significativamente mais do que uma dose de 1 mg durante um período de 3 semanas, mas foi associada a efeitos adversos. Ensaios maiores e mais longos, incluindo comparação com tratamentos existentes, são necessários para determinar a eficácia e segurança da psilocibina para esse distúrbio.
1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Risco de câncer metastático foi reduzido em até 72% com exercícios de alta intensidade

Risco de câncer metastático foi reduzido em até 72% com exercícios de alta intensidade

Novo estudo, publicado na Cancer1 Research, sugere que as pessoas podem reduzir o risco de desenvolver câncer1 metastático praticando regularmente exercícios aeróbicos de alta intensidade. Descobriu-se que a atividade física aumenta o consumo de glicose2 pelos órgãos internos, o que significa menos energia disponível para o tumor3. Entre os participantes estudados, aqueles que relataram exercícios aeróbicos regulares de alta intensidade tiveram 72% menos câncer1 metastático do que os participantes sedentários. Coletivamente, os dados sugerem um choque4 entre a plasticidade metabólica do câncer1 e a reprogramação metabólica do estroma5 induzida pelo exercício, criando uma oportunidade para bloquear a metástase6 desafiando as necessidades metabólicas do tumor3.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
5 Estroma: 1. Na anatomia geral e em patologia, é o tecido conjuntivo vascularizado que forma o tecido nutritivo e de sustentação de um órgão, glândula ou de estruturas patológicas. 2. Na anatomia botânica, é a matriz semifluida dos cloroplastos na qual se encontram os grana, grânulos de amido, ribossomas, etc. 3. Em micologia, é a massa de tecido de um fungo, formada a partir de hifas entrelaçadas e que, nos cogumelos, geralmente corresponde à maior parte do corpo.
6 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
Crianças com enxaqueca são mais propensas a sofrer de ansiedade e depressão

Crianças com enxaqueca são mais propensas a sofrer de ansiedade e depressão

Crianças e adolescentes que sofrem de enxaqueca1 são mais propensos a ter ansiedade e depressão em comparação com aqueles que não têm enxaqueca1, de acordo com uma revisão sistemática e metanálise publicada no JAMA Pediatrics. Em uma metanálise de 51 estudos, surgiram associações entre enxaqueca1 e sintomas2 de ansiedade e sintomas2 depressivos. Além disso, as metanálises mostraram chances significativamente maiores de transtornos de ansiedade e transtornos depressivos entre crianças e adolescentes com enxaqueca1 versus aqueles sem. Pode ser benéfico rastrear rotineiramente crianças e adolescentes com enxaqueca1 para ansiedade e depressão na prática clínica. Não está claro se ter ansiedade e sintomas2 ou distúrbios depressivos afeta os resultados ou a incidência3 da enxaqueca1.
1 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Videogames podem estar associados a melhor desempenho cognitivo em crianças

Videogames podem estar associados a melhor desempenho cognitivo em crianças

Um estudo com quase 2.000 crianças descobriu que aquelas que relataram jogar videogame por três horas por dia ou mais tiveram melhor desempenho em testes de habilidades cognitivas envolvendo controle de impulsos e memória de trabalho1 em comparação com crianças que nunca jogaram videogames. Publicado no JAMA Network Open, o estudo examinou dados de pesquisa, cognitivos2 e de imagens cerebrais de crianças com idades entre 9 e 10 anos. Os pesquisadores descobriram que as crianças que relataram jogar videogame por três ou mais horas por dia eram mais rápidas e precisas em ambas as tarefas cognitivas do que aquelas que nunca jogaram. Eles também observaram que as diferenças na função cognitiva3 observadas entre os dois grupos foram acompanhadas por diferenças na atividade cerebral.
1 Memória de trabalho: Atua no momento em que a informação está sendo adquirida, retendo a informação por alguns segundos e, então, a destinando a ser guardada por períodos mais longos ou a ser descartada. A memória de trabalho pode, ainda, armazenar dados por via inconsciente. Difere da memória de curto prazo pois esta trabalha com as informações por algumas horas até que sejam gravadas de forma definitiva.
2 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Neurônios nociceptores afetam a imunovigilância do câncer

Neurônios nociceptores afetam a imunovigilância do câncer

Os tumores sólidos são inervados por fibras nervosas que se originam dos sistemas nervoso periférico autônomo e sensitivo. Neste estudo, publicado na revista Nature, mostrou-se que as células1 de melanoma2 interagem com os neurônios3 nociceptores, levando a aumentos em seu crescimento de neurites4, em sua capacidade de resposta a ligantes nocivos e na liberação de neuropeptídeos. O peptídeo relacionado ao gene da calcitonina5 (CGRP) – um desses neuropeptídeos produzidos por nociceptores – aumenta diretamente o esgotamento das células1 T CD8+ citotóxicas, o que limita sua capacidade de eliminar o melanoma2. No geral, os resultados sugerem que reduzir a liberação de CGRP de nociceptores que inervam tumores pode ser uma estratégia para melhorar a imunidade6 antitumoral, eliminando os efeitos imunomoduladores do CGRP nas células1 T CD8+ citotóxicas.
1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
3 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
4 Neurites: Inflamação de um nervo. Pode manifestar-se por neuralgia, déficit sensitivo, formigamentos e/ou diminuição da força muscular, dependendo das características do nervo afetado (sensitivo ou motor). Esta inflamação pode ter causas infecciosas, traumáticas ou metabólicas.
5 Calcitonina: Hormônio secretado pela glândula tireoide que inibe a perda de cálcio dos ossos.
6 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).

Elogios, críticas ou sugestões

Seu nome:
Seu email:
Mensagem:

  • Entrar
  • Receber conteúdos